Arrumar o castelo

Ontem prometi a mim mesma que hoje era o dia! Arrumar a casa. Que pesadelo. Já nem dormi descansada.

Acordei, sai de casa à pressa para levar os miúdos à escola e depois era suposto voltar para casa para cumprir as minhas tarefas.

Estranhamente, lembrei-me de 1001 coisas que tinha para tratar antes de voltar para casa. E merecia tomar um cafezinho descansada numa esplanada enquanto via o facebook.

Cheguei a casa às 11:10 e fui obrigada a ligar o computador. Tinha MESMO que imprimir uns documentos (claro!). A impressora não está a funcionar. Que chatice. Deixa-me lá “dar uma volta” que isto de ter internet é quase como ter um jacto particular. De vez em quando lembro-me das toneladas de roupa que tenho para lavar (leia-se enfiar na máquina). A sério, a minha casa parece a primark num dia de saldos. Roupa por todo o lado. E enquanto o assunto da roupa estiver pendente não dá jeito fazer mais nada. Frustrante. A minha máquina lava 8 kg de cada vez (já referi que tenho toneladas, não já?). E depois era maravilhoso que depois de lavada, por magia, não fosse preciso usar, sujar, amarrotar. Mas não… um dia depois e já está tudo no cesto da roupa suja again (and again). Assim sim, dava motivação tratar da roupinha, era tipo uma vez na vida (estava ótimo). Ninguém aguenta: meter na máquina (esperar…..), estender, apanhar e dobrar e guardar na gavetas. Sim, porque eu não passo a ferro. Era só o que faltava. Raramente guardo nas gavetas. Ficar por ai nos cestos da roupa dobrada (orgulho) torna o dia-a-dia muito mais emocionante. É do género: oh mãe! Preciso de umas meias! E lá vou eu com a mesma garra , resiliência e coragem de quem vai fazer uma missão a marte.

Resumindo: a melhor parte desta saga é só mesmo estender. Nesse momento uma pessoa sente-se bem sucedida. É só virar as costas e mission done!

Depois ainda há um pormenor , a incrível separação da roupa para lavar: roupa clara/roupa escura. Isto é que se devia aprender na escola. Parece básico, mas não é. Há poucos dias lavei umas calças minhas de cor bordeaux (eu sabia que só devia vestir calças pretas) e até fui inteligente e lavei com outras peças de cor escura. Resultado, o marido e o filho não acharam assim grande piada aos desenhos e letras brancas nas t-shirts pretas terem passado a ser cor-de-rosa.

Outra coisa que eles não apreciam (já aprendi) é que eu use a máquina de secar. A máquina de secar faz milagres. Juro que aqui não sou culpada. A máquina tem poderes. Num instante seca a roupa (verdade) e também tem a capacidade de transformar uma simples peça de roupa de tamanho M numa peça de tamanho que só conseguiríamos encontrar numa secção de criança (true story).

Bem, vou apanhar roupa. Que já é meio dia. E mais logo tenho uns episódios de family guy para ver.